aaahhh e tal...

22 fevereiro, 2006

Violencia doméstica, Gripe das Aves e o Toy

Tal como prometido, o blog bonito e bem cheiroso da zona está de volta. Desta vez… alias, mais uma vez, vou tratar de um assunto de importância vital para todos os seres humanos e para o Toy também. Como estou a procurar recapturar todos os antigos leitores, que eram cerca de 4, vejo me obrigado a escrever não sobre algo que eu queira mesmo, mas sim sobre aquilo que interessa a toda a gente e também ao Toy. Pus-me a pensar durante uns bons minutos, ao mesmo tempo que tirava cera dos ouvidos e a ia juntando num monte que os poucos ia tomando a forma da estátua do Marquês de Pombal, e pensei que filosofia seria um tema bastante atractivo e do gosto de toda a gente, e já agora, do Toy também. Mas como eu não tenho interesse nenhum em que o Toy leia uma palavra sequer deste fantástico blog, vou escrever sobre outra coisa qualquer.

Tenho um sonho. Tornar este blog em algo que so seja lido por pessoas de uma determinada classe social. Claro que isso tem a ver com o conteúdo deste mesmo blog. Então desde já prometo que assuntos importantíssimos como Politica, o Estado da Nação, Economia, Filosofia, o Estado do sector medico em Portugal e no resto do mundo, a crise petrolífera, com o consequente aumento de preços do combustível e os penteados no lateral direito do Benfica, Nelson, são assuntos que nunca, jamais em tempo algum, serão abordados neste formidável blog. Alias, por cada vez que alguma destas palavras forem proferidas, comprometo me a atirar me de cabeça contra esquina de mesa mais próxima. Por isso é que falar destes assuntos sempre me fez uma certa impressão à cabeça.

Durante estes últimos 227 dias durante os quais andei em digressão pelo universo, na antiga nave espacial do central do Benfica, Luisão, encontrei muita gente que já não via há muito tempo. Cruzei me várias vezes com a Gisele Bündchen, que como toda a gente sabe, não é deste planeta. Quem eu via também muitas vezes, e cheguei a aterrar la varias vezes foi a Simara. Está muito mais desenvolvida de cada vez que eu la vou. Antes so tinha algumas aldeias na zona do equador..alias, da cintura. A ultima vez que la fui já tinha bastantes cidades, umas verdadeiras metrópoles cada uma delas com mais de 6 milhoes de habitantes. Os primeiros mcdonalds também já abriram, logo seguidos pela pizza hut e pelo KFC.

Aproveitei então para passar umas férias na Simara, a beira do lago gigante na zona do umbigo, que é a zona mais quente. Um verdadeiro paraíso tropical. Foi também curioso reparar na quantidade de estrangeiros que também já optaram por ir la passar as suas férias.

Como nos últimos tempos tenho tido bastante tempo livre, apesar de estar num mês de exames, entre algum estudo, as festas, as saídas a noite, as noitadas de PES5 e algumas cenas de sexo em grupo, consegui ainda arranjar tempo para me por a pensar sobre alguns assuntos do quotidiano terráqueo, como por exemplo a violência domestica. Depois de muito tempo a pensar, consegui formular uma teoria interessantíssima e que se não for verdade, de certeza que anda la muito perto: há mulheres que são alérgicas à violência doméstica. Segundo um estudo por mim efectuado, algumas mulheres, depois de serem agredidas, ficam com nódoas negras e algumas (nos casos mais graves de alergia) chegam ate a terem inchaços em varias zonas do corpo. Nos casos mais críticos, há mulheres que ficam mesmo com hamatomas e algumas ate chegam a morrer. Espanta me como é que numa sociedade como a de hoje, em que a medicina já esta tão evoluída, como é que ainda não foi possível inventar algum tipo de medicamento contra este problema, que afecta uma em cada 10 mulheres. Outro problema que afecta muitas sociedades actuais é o Toy. Por isso não consigo também perceber como é que ainda não foi feito nada contra este flagelo. Acho que o governo português, em vez de se andar a preocupar com a gripe das aves, devia pedir a alguém para tentar inventar qualquer coisa que fizesse com que cada vez que o Toy mexesse a boca, não saísse qualquer ruído. Temos de procurar ver o lado positivo da gripe das aves no nosso pais. Pode ser que o Ricardo não chegue a ir ao mundial. Não quero que pensem que estou a dizer mal do Ricardo, ao mesmo tempo que lhe chamo frango, so por ele as vezes ser, vá lá, um bocadito inseguro… mas estou.

11 fevereiro, 2006

O tão esperado regresso

7 meses e 15 dias depois, qual Frankenstein, o blog mais visitado da minha casa volta à vida. Com ainda mais vigor e isenção, com o carácter rigoroso que já é a sua imagem de marca, sempre pronto a esclarecer o leitor acerca de muitos e variadíssimos assuntos, todos eles, como não podiam deixar de ser, de interesse público. Após inúmeros pedidos de pessoas semi-famosas e alguns quase conhecidos, como por o exemplo, o senhor Arlindo Brito (tetra-campeao do jogo da macaca) e do monstro das bolachas, o excelso autor deste prestigiadíssimo blog, que como já foi referido, é o que tem maior audiência em minha casa, decidiu que já era tempo de voltar a blogosfera.

A questão que toda a gente, que costumava ser um leitor assíduo deste blog, que segundo as estatísticas eram entre 2 e 3 pessoas e alguns animais, está neste momento a pensar em fazer é: “Ó meu palerma, mas tu não tens mais nada para fazer? Estava tudo, finalmente, a correr bem. De certeza que não queres esperar mais uns anitos até escreveres qualquer coisa?” A essas pessoas eu respondo que se não quiserem ler todas as verdades verdadinhas que são escritas neste blog de renome, têm sempre a alternativa de tentarem saltar ao pé cochinho, de costas, com um olho tapado, enquanto cantam o hino nacional da ex-Rodésia do Norte, que como toda a gente sabe, corresponde à actual Zâmbia. Com este facto completamente inútil, pretendo demonstrar que não sou um perfeito calhau e que os jogos da televisão apresentados por pessoas são realmente muito úteis. (segundo estes critérios, está automaticamente excluído “O Preço Certo”)

“Ora bem… sobre o que é que irei escrever?” pensei eu, enquanto retirava burriés do nariz com o dedo mindinho do pé. “Preciso de um regresso em grande… algo bombástico, algo que seja do interesse geral.” Vou portanto falar do que de significativo aconteceu nos últimos 7 meses durante os quais andei em digressão pela via láctea. Acho importante referir que numas das viagens que fiz à galáxia da Andrómeda, cruzei-me com o defesa central do Benfica, Luisao, que vinha de sua casa, a caminho do treino no Estádio da Luz.

Notícia de ultima hora para os mais desatentos: houve eleições e Cavaco Silva é o novo presidente da república portuguesa. No seu discurso, Aníbal prometeu fazer todos os possíveis para baixar o défice português, sendo logo criticado por muitos por ser tão radical. Segundo dados do INE de uma sondagem efectuada 3 semanas após as eleições, 24% dos portugueses pretendem apenas que o “novo” presidente não envergonhe o país ao mastigar de boca aberta, mostrando o bolo alimentar em pleno Parlamento Europeu. Os restantes 76% da população portuguesa respondeu “Eleições? Quando é que vão ser?”.

Passei uma grande parte destes últimos sete meses a trabalhar como moço de recados na TVI, sendo pago apenas com favores sexuais, o que me permitiu descobrir em primeira mão o final da novela “Ninguém como tu” e saber quem foi que matou o António. Tive também acesso ao guião da nova telenovela que a TVI está a preparar, baseada numa historia verídica e que passo a divulgar, em rigoroso exclusivo: Duas gémeas, que não são irmãs, são separadas a nascença e vivem durante toda a vida sem terem conhecimento uma da outra. Seguem a sua vida ate ao dia em que se cruzam na zona do Parque Eduardo VII, por volta das 3h27 da manhã. “Tem todas as características para ser um sucesso, só falta arranjar actores portugueses que realmente saibam representar” disse-me José Eduardo Moniz, ao mesmo tempo que me levava para a casa de banho dos estúdios da TVI, para proceder ao pagamento do meu ordenado e agradecer-me pela minha contribuição. “Sem ti isto não seria a mesma coisa” disse-me ainda, com um ar de prazer.

E pronto, espero ter deixado deliciados todos os corajosos e entediados leitores deste magnifico blog. Aproveito ainda para informar os fantásticos e bem cheirosos leitores, que farei todos os possíveis para não cair na tentação de gozar ou fazer piadas com o peso absurdo da Simara ou do Fernando Mendes. Tentarei também a todo o custo evitar fazer comparações entre a Odete Santos e um orangotantgo, e entre o Tony Ramos e um gorila. Este blog há de ser famoso, mas nunca à custa da ridicularização de personagens como José Castelo Branco ou Alexandre Frota, até porque eles não precisam de ajuda para serem considerados ridiculos.

E assim termina o primeiro post da nova era do blog com maior percentagem de share num raio de 1,23 metros. Aguardem um novo texto, num prazo máximo de 5 meses.

26 junho, 2005

Saldos

Os saldos… há pessoas que se mantêm vivas durante mais um ano inteiro so para conseguirem ir aos saldos do ano seguinte. Qual elixir da vida qual quê! Os saldos é que foram a mais importante invenção! O próprio João Paulo II confessou que ainda se aguentou durante alguns anos por causa dos saldos. O Papa novo (novo… é uma maneira de dizer. A única diferença é que tem menos 16753 doenças que o antigo papa), no outro dia veio ca a casa comer uma tigela com chocapic, e contou-me que viu numa loja la do Vaticano uma coisa daquelas que ele usa na cabeça, so que era azul e tinha uma pala. Diz que quer lançar uma nova moda entre todos os papas do mundo só que como ainda esta muito caro, vai esperar ate à altura dos saldos para a comprar.

Os saldos são algo de fantástico, e chegam mesmo a ser assustadores. Há pessoas que basta ver a palavra SALDOS escrita, em letra grande e vermelha, para entrarem a correr na loja. Não interessa do que é que é a loja e os saldos até podem ser só de 0,000000008%. Saldos são saldos.

Toda a gente fala dos acidentes na estrada, mas há um assunto de que eu, curiosamente, nunca ouvi falar (provavelmente porque afastava a clientela) que são os acidentes nos saldos… no primeiro semestre deste ano já morreram 259 pessoas e outras 2875 estão em estado considerado muito grave. Quase todas vitimas de atropelamento… de outras pessoas. A GNR já está a tomar conta da ocorrência. Encontrei um e perguntei lhe:

Eu – olha lá… mas que bigode é esse?
GNR – o senhor transeunte faça favor de circular. Não ve que esta a empatar o tráfego? E o que é que o bigode do elemento policial presente a sua frente tem de mal? Já nasci com ele e nunca o consegui tirar…
Eu – então e essa barriguita? Não me digas que também já nasceste com ela…
GNR – por acaso…
Eu – hmm… então e essa garrafinha de cerveja ai? Também é de nascença?
GNR – ahh… pois… isto deve ser genético. O meu pai também era GNR…

Os saldos são coisa de gaja. Quem é que vai aos saldos? Ainda se houvesse saldos nos stands de automóveis ou nas lojas de computadores… um gajo não vai aos saldos… deixa-a ir e pede lhe, se arranjar tempo, para ela lhe comprar qualquer coisa, uns boxers ou isso…

Quando é que um gajo compra roupa? Quando passa em frente a uma loja e vê la uma coisa qualquer que gosta. Não há cá problemas do género “e se já alguém já comprou uma igual?” “e se encontrar uma mais gira na loja a seguir?” todas as tragédias do mundo são insignificantes vistas por esta perspectiva…

Soube de uma senhora que morreu de saldos. Andava nos saldos há já bastantes anos e nada levava a supor que aquilo poderia acontecer. Descobriu-se que já não ia a casa à mais de 4 semanas e já não comia nem bebia nada para não gastar dinheiro, que podia dar jeito, se por acaso encontrasse uns sapatos que ainda não tinha… Tinha varizes enormes. Estava subnutrida e desidratada. Mas não morreu por causa disso. Morreu esmagada. Com o peso das compras…

Tenho medo dos saldos… na altura dos saldos a cova da moura é mais segura que um centro comercial. Pessoas a correr de um lado para o outro! Guerras de gangs dentro das lojas. Objectos arremessados, murros, pontapés, navalhadas… tudo para conseguir comprar aquele lenço verde alface e lilás!

Portem-se bem e tal…

14 junho, 2005

Economia e preservativos

Não sei o que é que se passa comigo. Ultimamente tenho acordado em sítios estranhos sem saber como é que lá fui parar. Ainda hoje, acordei numa sala cheia de gente a escrever. Olhei à minha volta e reparei que tinha uma folha à minha frente com umas perguntas para responder. Como aquilo não me dizia nada peguei na folha e entreguei a uma senhora que ficou a olhar para mim com cara de poucos amigos. Mais tarde vim a saber que ela é a minha professora de economia e que aquela folha era o meu exame.

Há quem diga que este blog trata de assuntos sérios e pertinentes. A essas pessoas eu tenho de agradecer e de lhes aconselhar a irem ao médico ou a comprarem uns óculos. Depois há quem diga que isto não serve para nada e eu não poderia estar mais de acordo. No entanto, este post vai mudar a opinião das pessoas acerca deste blog. As que pensavam bem dele vão passar a pensar mal e quem pensava mal vai passar a pensar ainda pior…

Estava eu ainda à bocado a ver a Sic Notícias quando a minha mãe chega ao pé de mim e me diz “vê se páras de ver essas porcarias… vai mas é fazer qualquer coisa de útil… aproveita o teu tempo” e eu disse “bem, então se calhar vou estudar, mas é…”, “deixa de ser parvo! Ah é verdade, tens visitas no teu quarto.” E fui ver quem era…

Estavam lá 4 suecas 3 holandesas e 2 chinesas (dass… há chineses em todo o lado…) e como esta situação não me dizia nada, pus-me a pensar na grande invenção que foi o preservativo. Claro que no início não foi assim tão genial já que era feito de intestino de vaca, mas hoje em dia já ninguém imagina a vida sem preservativos, nem sem m&m’s. Nem sem o Toy… (se bem que muita gente sonhe com isso).

Claro que desde a sua invenção os preservativos evoluíram muito. Para o desalento de muita gente, principalmente as mulheres, deixaram de ser feitos de intestino de vaca mas em contrapartida têm sabores, cores, cheiro e formas diferentes. E assim nasceu uma nova indústria.

Lembro me como se fosse ontem da visita de estudo que fiz na 4ª classe a uma fábrica de preservativos. Fomos muito bem recebidos e fizeram nos uma visita guiada com todas as explicações. Primeiro mostraram nos como é que eles eram feitos. Primeiro, o látex liquido era posto em moldes onde depois um homem soprava para ficarem com a forma certa. Depois desses moldes iam para uma passadeira rolante até à zona de testes. E era esta a parte mais importante da visita. Como é que eu hei de explicar isto? Havia cobaias e cobaios a quem pagavam para testarem os produtos. Tudo filmado para o caso de haver uma inspecção… agora que penso nisso ainda no outro dia saquei da net um filme de… er… acção que se passava nessa fábrica… bem, adiante.

Então lá estavam eles a testar os produtos. Tudo conforme as regras padrão aprovadas pela CE, em conselho de estado. O que se passava durante o teste era mais ou menos isto:

Ele: então o que é que achas?
Ela: não sei bem… experimenta lá outra vez…
Ele: então?
Ela: sim, sim, SIM… o que é que tu achas?
Ele: epá são confortáveis e tal… mas têm um cheiro um bocado estranho não achas?
Ela: sim realmente… e o sabor também não é dos melhores… o que era capaz de ser engraçado era inventar umas coisas destas mas com sabores.
Ele: achas que sim? Bem por mim tanto faz…

E foi com esta visita de estudo que eu me apercebi que a indústria dos preservativos era uma indústria com imenso futuro. Passámos de preservativos feitos de intestino de vaca para uns com sabor a morango, banana, framboesa, ananás, maçã, côco, manga, alperce, laranja, pêssego, hortaliça, com sabor a canja de galinha, para quem estiver doente, e também, para quem se preocupa mais com a saúde, preservativos com baixo teor de colestrol.

Portem-se bem e tal…

15 abril, 2005

Avô(ó) Cantigas

Os planetas alinharam-se, o dia estava com 24º, a terra deu 14 voltas ao sol, chegou a época de acasalamento do esquilo australiano, o Cláudio Ramos vestia camisolas cor de rosa, o Benfica estava em primeiro, havia uma Quinta das Celebridades, o Castelo Bronco era homossexual e o Trappatonni ainda era novo… é verdade, o mundo mudou imenso desde a última vez k escrevi aqui.

Há coisas más. São más e pronto, ninguém gosta de falar delas. Depois há coisas muito más. A seguir há a incontornável (literalmente) Simara. E por fim há o novo cd do Avô cantigas. Eu sei que é um assunto delicado, polémico e do qual ninguém gosta de falar mas é preciso alguém com coragem para falar disso portanto vou mas é falar sobre a qualidade das exibições do Benfica… pensando bem é melhor não…

Há música e música. Não estou a querer dizer que há música e música. Estou simplesmente a afirmar que há musica que é música e música que é mais ou menos. Agora que já esclareci toda a gente vou falar sobre o novo cd do Avô Cantigas. Acho que nem vou falar do facto de ele gostar muito de criancinhas porque isso hoje em dia já é banal. Vou antes falar das consequências do lançamento deste cd. Fontes seguras próximas do avô cantigas asseguraram me que a edição deste cd é de uma importância vital para ele já que espera-se que consiga vender pelo menos um, o que é logo a enorme quantia de 12€ que é exactamente o que lhe falta para ele poder realizar a tão desejada operação de mudança de sexo, porque parece que isso hoje em dia já é moda. Há pessoas que compram roupas e há pessoas que mudam de sexo. Após cantar durante 128 anos, parece que vai finalmente conseguiu juntar dinheiro para realizar o seu desejo se ser avó.

Eu estive mesmo quase para comprar o cd mas depois o meu pai chega se ao pé de mim, da-me um abraço forte e diz me numa voz a transbordar de carinho: “se tu compras essa merda parto-te os dentes à cotovelada” e então eu comprei-o e tenho de admitir que fiquei bastante satisfeito. Quando saí do hospital fui logo dar uso ao cd. A caixa do cd usei-a para servir de calço numa mesa que não assentava bem no chão, o papel com as letras foi para a casa de banho, porque nunca se sabe e o cd propriamente dito pendurei-o no espelho do meu carro. Eu nem sequer tenho carro mas acho que ter um cd para pendurar lá é uma boa maneira de começar.

Ainda ontem tava a descascar cebolas enquanto ouvia o cd e comecei a chorar. É que aquelas músicas puxavam ao sentimento. ao tentar limpar a lágrima, espetei a faca no olho direito. “epá outra vez? Já é a quarta vez esta semana…” disse eu e lavei a faca porque ainda por cima aquela era a faca que cortava bem e eu ainda não tinha acabado de descascar as cebolas para a sopa que se ia comer ao jantar. Eu nem costumo comer sopa mas ontem comi porque fui eu que a fiz. E ainda apareceu o meu dedo indicador esquerdo no prato do meu pai. Ainda bem que ele o encontrou porque eu já tinha andado à procura dele pela casa toda e um dedo indicador dá jeito para apontar e para tirar macacos do nariz.

O cd continua para ali, à espera que eu arranje o resto do carro para o poder pendurar. Pronto o cd já está agora so falta o resto…

Portem-se bem e tal…

20 março, 2005

Como seria a vida ser elas?

Ontem foi dia do pai e estava eu a pensar que isso se calhar era um bom tema para o meu post por isso aqui vai um dedicado... às mães.


Ainda hoje toda a gente continua a falar daquilo que aconteceu na Tailândia e nos países dessa zona. O terramoto, os tsunamis, toda aquela destruição. Para muitas pessoas aquilo foi um desastre natural mas eu acho demasiada coincidência a Simara estar a dar fazer o seu Jogging para manter a forma (a forma redonda) tropeçar e cair e exactamente no mesmo momento, do outro lado do mundo, há um terramoto monumental seguido de tsunamis… se calhar foi so coincidência... ou se calhar não…

Há coisas que fazem impressão de ver, como o castelo branco, há coisas que fazem impressão ouvir, como o Toy, e há coisas que fazem impressão imaginar, como o nascimento da simara. A senhora dona mãe da simara tem de ser uma grande senhora (mas muito grande mesmo!) para conseguir tal feito. Eu acho que já era altura de escrever um texto para elogiar as mães, que se não fossem elas, podíamos sair a noite quando quiséssemos, podíamos ir passear fins de semana fora quando quiséssemos… ainda bem que há alguém que não nos deixa divertir quando queremos. mas o que seria a nossa vida sem alguém que lave a roupa, que passe a roupa a ferro, que faça os almoços e os jantares… eu nunca comeria alguma coisa cozinhada por mim nem que fosse a ultima coisa que existisse pra comer no mundo.

Estava eu a falar de desastres naturais, mas não há nenhum fenómeno mais destruidor e devastador do que duas mães a gabar os feitos dos filhos:

Mãe 1 – o meu filho é o melhor aluno da turma
Mãe 2 – oh, grande coisa. O meu é o melhor da escola.
Mãe 1 – pois mas o meu ainda so tem 11 anos e foi convidado a ir estudar prós estados unidos quando fizer 16 anos.
Mãe 2 – isso não é nada. O meu vai quando fizer 18 anos vai para a NASA como engenheiro aeroespacial.
Mãe 1 – pois o meu também ia pra uma coisa dessas mas no outro dia vieram 3 rapazes ter com ele e magoaram-no muito.
Mãe 2 – ah com o meu foi o contrário: vieram ter com ele e ele bateu em todos!
Mãe 1 - eu n disse que lhe bateram. magoram no...digamos que pelas costas. mas so conseguiram porque o apanharam desprevenido.
Mãe 2 – o meu Micas Manuel é muito mais desenvolvido que os rapazes da sua idade… e nunca é apanhado desprevenido. ca pra mim parece me que o seu filhinho é amiguinho do paulo portas...
Mãe 1 – o quê? está a chamar heterossexual ao meu filho? retire ja o que disse!
Mãe 2 – não retiro não retiro não retiro.
Mãe 1 – ai é? ai é?
Mãe 2 – É!!

E começa uma cena violentíssima de pancadaria, com estalos e até alguns puxões de cabelo… pochetes a voar, cabeleiras postiças, estojos de maquilhagem…

As mães têm a mania de dizer aos filhos pra fazerem aquilo que elas querem, e não aquilo que eles querem fazer… tá bem que as vezes até tem razão, mas outras vezes nem por isso. Já toda a gente passou pela situação de ter de vestir uma camisola porque quem está com frio é a mãe… pus-me a pensar, um bocadinho só porque não estou habituado, e lembrei me de algumas pessoas que não ouviram as mães, com consequências desastrosas… ou não…

- Pára de faltar as aulas e vê se vais estudar, para teres um futuro – mãe de Ronaldinho Gaúcho.
- Deixa de brincar com essas máquinas ou nunca vamos deixar de ser pobres – mãe de Bill Gates
- É a ultima vez que fazes desenhos no tecto da casa de banho – mãe de Miguel Ângelo
- Como é que três quartos de hora são relativos? Se chegas tarde à escola tens falta e nunca vais ser ninguém na vida – mãe de Einstein
- Vê se páras de gritar e vai lavar a loiça como já de disse - mãe do Toy
- Ou páras de mentir ou nunca vais ser ninguém na vida – mãe de Durão Barroso
- Ou começas a escrever coisas como deve ser ou nunca ninguém as vai ler – minha mãe

felizmente a minha mãe não tinha razão porque eu sei que pelo menos uma pessoa ja leu o que eu escrevi... hã? eu não conto? mas eu li... ai é? ah então pronto...

Portem-se bem e tal...

04 março, 2005

Terroristas: coitadinhos incompreendidos

Estava eu a brincar no jardim da minha casa quando a minha mãe chega a porta diz “vê se paras de brincar com esses restos humanos! Não chega já morarmos numa lixeira? Vai já arrumar o teu quarto que vem ca um senhor muito importante” eu ainda pensei que fosse o meu irmão que fosse finalmente voltar para casa depois de ter fugido aos 12 anos mas não, era um senhor árabe qualquer que tinha entrado ilegalmente em Portugal. Esse senhor era um bocado… diferente, vá lá. Há pessoas que gostam de coisas estranhas e têm gostos estranhos. Nem tou a falar das camisolas cor de rosa que o cláudio ramos costuma usar, porque isso de estranho não tem nada. Mas não tou a falar destas tipos duvidosos, mas de quem ninguém duvida. Tou a falar de umas pessoas que andam por aí a explodir sem mais nem menos. Mas eu acho que se fala muito mal dessas pobres pessoas. Nunca ninguém parou para pensar na dificuldade que é a profissão de terrorista? E não é toda a gente que pode ser terrorista. Nos treinos de captação, uma característica que é sempre exigida é ter um temperamento explosivo. É que ajuda… Há por ai muitas pessoas que acham que só há terroristas em Israel no Iraque e no Porto. Mas não. Aqui em mesmo em Lisboa há pelo menos dois terroristas. Eu não os conheço mas ouvi uma conversa entre duas senhoras de idade na estação e uma delas tava a dizer a outra:

- o mais velho da minha filha é um terrorista e o mais novo ainda é pior…

Isto é alarmante. Será que quer dizer que Portugal está em risco de um atentado? Náá… E ainda pensei nisto nuns bons 2 ou 3 segundos até que passou um gajo com um lençol enrolado em cima da cabeça a gritar e a apontar para umas barras de dinamite que tinha enroladas a volta da cintura. Atirou-se para a linha do comboio e ficou la parado à espera que ele viesse. Apareceu logo o fiscal que se pôs a gritar com ele “saia daí! Você é maluco ou quê? Ainda me estraga o comboio”. Ele pediu desculpa e saiu. Abraçou-se ao fiscal e chorou muito. Pôs se a falar da dificuldade que é ser terrorista e que ninguém os compreendia.

Ainda no outro dia estava eu na paragem do autocarro. Eu nem ia apanhar o autocarro, por isso não faço ideia de o quê é que estava la a fazer, mas como estava, pus-me a observar as pessoas que lá estavam. Duas velhinhas, a Carmen Electra que até me piscou o olho, um senhor com capacete de mineiro, um velhote com uma bengala, que eu vim mais tarde a saber que era o treinador do Benfica e um senhor enrolado num lençol. Como as outras pessoas que la estavam eu via-as todos os dias, meti conversa com um senhor enrolado no lençol. A primeira coisa que achei curiosa era o facto de estar constantemente a ouvir “pi……pi……pi……” mas não liguei muito. Tentei falar com ele mas ele não me respondia e fui la falando do tempo, de gajas, da religião catololica e coisas do género e pareceu-me ver, assim por um instante, fumo a sair pelas orelhas dele. Eu continuei a falar disso e ele de repente começa pra lá aos berros e a espernear e a dizer “ramallah mahhalla mujahi rhemerlhat” e de repente cala-se e começa a contar “5, 4, 3, 2, 1” e explodiu. Eu já tinha ouvido falar de pessoas que de repente explodem assim sem mais nem menos mas aquilo também foi uma reacção exagerada. Sacudi o pó, fui buscar o meu braço que entretanto foi parar ao outro lado da estrada e fui me embora.

Eu até conheço uma senhora que conheceu um tipo que era amigo de alguém que tinha conhecido um gajo que foi linchado por gostar do Ricky Martin. Não foi por gostar dele fisicamente, foi por se vestir como ele e pior ainda, por ouvir musicas como Livin la vida loca. Em alguns sítios isso é considerado como um acto de terrorismo…